Martelo de Deus

Se você entrou aqui, talvez pergunte: Por que Martelo de Deus? Bem, a resposta é simples. Meu nome no latim significa martelinho. E o martelo é um instrumento para pregar. Então, sou um pregador até no nome. Escolhido e registrado por Deus. Heheheheheheheheheheheheheheheheeheheheh. Como martelo de Deus, vivo martelando ,ou seja, pregando.
"Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina".
II Timóteo 4.2

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Vida do Reino, Vida de Autoridade!

Quando homem é criado por Deus recebe a seguinte ordem: “E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos; multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra.” (Gn. 1.28). Deus forma o homem, concede vida e lhe dá autoridade, direito de governar toda a terra. Em Gênesis 1, o homem recebe de Deus o direito de exercer autoridade sobre a criação, mas, antes relata o tipo de homem que recebeu tal responsabilidade e privilégio. “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra.” (Gn. 1.27,28). O homem criado por Deus que iria governar a terra, como representante de Deus, tinha a semelhança do próprio Deus.
O homem que hoje deseja representar Deus e exercer Sua autoridade nessa terra; deve ser alguém sobrenatural. Ninguém é capaz de arcar com uma responsabilidade tão elevada na sua própria força natural. Percebemos então, no inicio da Bíblia, que vida está vinculada com autoridade. Em Apocalipse 22.1, é claro a vida de Deus que fluí do trono. Trono representa autoridade. Então, se você tem a vida de Deus, você tem autoridade de Deus também. Para termos a vida de Deus e exercer Sua autoridade, precisamos nascer de novo. Só nascendo de novo, vamos começar a andar no sobrenatural de Deus através de uma nova vida, uma vida espiritual. “Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus (Basileia – Domínio, soberania). O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito.” (João 3.5-6). Lembre-se entrar no Reino e estar sujeito a autoridade de Deus. Jesus disse: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.”. (Mt. 28.18). O Pai deu autoridade ao Filho e lhe deu toda autoridade. Jesus compartilha parte desta autoridade com os que andam segundo o seu querer. “Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas.”. (Lucas 9.1). “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.” (Lucas 10.19). E quem andar segundo suas obras vai reinar sobre as nações, debaixo de seu governo. “Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como se fossem objetos de barro; assim como também eu recebi de meu Pai, dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” (Ap. 2.26-29).
O homem natural não consegue submeter-se ao reinar de Deus. Só o homem que nasceu de novo consegue desenvolver uma vida de submissão a Deus. Este homem recebe autoridade da parte de Deus como seu representante aqui nessa terra. Por que a imagem e semelhança foram restauradas em seu ser. A autoridade que esta Nova Criatura exerce não é movida por uma ganância pessoal por poder, mas por submissão e amor ao seu Pai que o gerou. Como homem natural, fui criado por Deus, sou Criatura de Deus, o pecado não me tirou isso. Em Cristo, sou recriado pelo Espírito, agora como filho, co-herdeiro de Cristo. “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados. Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós. ” (Rm. 8. 17). “Ouvi, meus amados irmãos. Não escolheu Deus os que para o mundo são pobres, para serem ricos em fé e herdeiros do reino que ele prometeu aos que o amam?” (Tg. 2.5). Aleluia!